SYPNET INFORMÁTICA

assistência técnica especializada em unidades de backup

  • Full Screen
  • Wide Screen
  • Narrow Screen
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size

E-mail Imprimir

Ao longo da história, o homem tem precisado tratar e transmitir informações. Como a velocidade de transmissão aumentou muito nos últimos tempos e está aumentando cada vez mais, tornam-se necessárias máquinas e métodos para agilizar também o processamento das mesmas. Com esta finalidade, pensando mais especificamente nos trabalhos rotineiros e repetitivos, surge a Informática como ciência encarregada do estudo e desenvolvimento dessas máquinas e métodos.

Ao longo da história, o homem tem precisado tratar e transmitir informações. Como a velocidade de transmissão aumentou muito nos últimos tempos e está aumentando cada vez mais, tornam-se necessárias máquinas e métodos para agilizar também o processamento das mesmas. Com esta finalidade, pensando mais especificamente nos trabalhos rotineiros e repetitivos, surge a Informática como ciência encarregada do estudo e desenvolvimento dessas máquinas e métodos.

 Uma das definições mais comumente aceitas hoje em dia é: Informática é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. O termo foi criado na França em 1962, e provém da contração das palavras INFORmação autoMÁTICA. 

O instrumento físico que realiza as atividades propostas pela informática é o computador, que é capaz de realizar uma grande variedade de trabalhos com alta velocidade e precisão, desde que receba as instruções adequadas.

 Os horizontes da Informática são muito amplos. Informação e Comunicação formam binômio do maior poder na sociedade moderna. Possuir a informação ao alcance, poder levá-la ao destino certo, fazer dela o melhor uso, eis no que reside, em essência, o sucesso dos empreendimentos, das organizações.  

1.1 Processando Dados

Em qualquer atividade humana, verifica-se que a resolução dos problemas consiste em uma série de tarefas, das quais as fundamentais são: decidir o que e como fazer e executar as operações. Nas atividades em que se emprega o computador, os homens tomam as decisões e a máquina as executa.

 O computador é mais do que um simples instrumento para solução de problemas. Hoje em dia, ele é largamente utilizado como máquina capaz de executar uma série de tarefas complexas que, se fossem feitas manualmente, exigiriam um tempo muitíssimo maior. Desse modo, o computador é um dispositivo que aumenta grandemente a gama de atividades que podem ser desenvolvidas pelo homem.

 A todas as atividades que, a partir de dados conhecidos, através de processamento, conduzem a resultados procurados, com ou sem emprego de qualquer equipamento auxiliar, podemos denominar atividades de processamento de dados.

 Há quem prefira denominar Processamento Automático de Dados (PAD) ou Processamento Eletrônico de Dados (PED) as atividades como as anteriormente descritas, quando se utilizam computadores.

 No entanto, foi justamente o advento dos computadores que dinamizou de tal forma o tratamento das informações que, a partir daí, é que se vulgarizou a terminologia processamento de dados; de modo que a essa denominação se associa, no presente, à idéia do emprego de computadores.

  Qualquer processamento se realiza segundo o esquema abaixo.

               Entrada                    Processamento            Saida

Impactos na Sociedade

O desenvolvimento da informática exerce um grande impacto no modo de produção da sociedade. O computador torna-se uma importante ferramenta de trabalho, contribuindo para o aumento da produtividade, redução de custos e melhoria da qualidade dos produtos. Vários setores da economia já estão informatizados, entre os quais a indústria, a pesquisa científica, a educação, o sistema financeiro, as comunicações e a Astronáutica. Nas fábricas, os robôs substituem gradativamente a mão de obra humana em trabalhos que envolvem risco e em atividades mecânicas, como as linhas de produção e montagem. Essa automação progressiva é a causa da eliminação de vários postos de trabalho como caixas de banco, telefonistas e datilógrafos, tendência que é conhecida por desemprego estrutural (ver Globalização). Por outro lado, a informática também cria novas categorias de profissionais, cuja principal característica é o domínio das tecnologias da atualidade.pesquisa científica, o computador tem possibilitado a simulação de experiências inviáveis na realidade, devido ao alto custo ou periculosidade, como situações de temperatura excessiva ou de explosões. Na educação há uma grande variedade de softwares que ensinam Desenho, Música ou Gramática. Os bancos oferecem um número cada vez maior de serviços informatizados, como os caixas eletrônicos e as consultas on-line a partir de um computador pessoal ligado à agência. Na área das comunicações, a grande inovação é a interligação dos computadores de todo o mundo numa grande rede, a Internet. Na astronáutica, os satélites artificiais informatizados fazem, entre outras aplicações, o mapeamento da atmosfera terrestre e de outros planetas. 

Evolução Futura

Uma tendência constante no desenvolvimento dos computadores é a microminiaturização, iniciativa que tende a comprimir mais elementos de circuitos num espaço de chip cada vez menor. Ademais, os pesquisadores tentam agilizar o funcionamento dos circuitos mediante o uso da supercondutividade, um fenômeno de diminuição da resistência elétrica que se observa quando os objetos são submetidos a temperaturas muito baixas. As redes de informática são cada vez mais importantes no desenvolvimento da tecnologia dos computadores.

As redes sãogrupos de computadores interconectados mediante sistemas de comunicação. A rede pública Internet é um exemplo de rede de informática planetária. As redes permitem que os computadores conectados troquem informações rapidamente e, em alguns casos, compartilhem uma carga de trabalho, de modo que muitos computadores podem cooperar na realização de uma tarefa. 

2 Sistema Computacional

Um sistema computacional é entendido como uma junção de três componentes básicos: Hardware, Software e peopleware. Podemos caracterizá-los melhor como: 

2.1 Hardware

Chamamos de hardware todo o conjunto de componentes físicos de um computador e os periféricos ligados a ele. Como componentes físicos podemos destacar a título de exemplo, o teclado, o monitor, a impressora, o scanner, o mouse, entre outros. 

2.2 Software

Refere-se ao conjunto de programas que são processados num computador. É uma das partes lógicas do sistema juntamente com o peopleware. Exemplos de software são: os editores de texto, os editores gráficos, as planilhas de cálculo, os jogos, entre outros. 

2.3 Peopleware

É o conjunto de pessoas dedicadas a todo sistema computacional. Forma o conjunto de recursos humanos deste sistema e envolve, entre outros: Analistas de Sistema, Engenheiro de Redes, Programadores e Integradores de Software. 

 3  Hardware

O primeiro componente de um sistema de computação é o hardware, que corresponde a parte material, aos componentes físicos do sistema. É o computador propriamente dito. O hardware é composto por vários tipos de equipamentos, caracterizados por sua participação no sistema como um todo. Uma divisão primária separa o hardware em Sistema Central e Periférico. Tanto os periféricos como o sistema central são equipamentos eletrônicos ou eletromecânicos.

Os principais elementos de hardware num sistema computacional podem ser agrupados nas seguintes categorias: 

3.1 SISTEMA CENTRAL:

ü      UCP – Unidade Central de Processamento: o “cérebro” da máquina – o processador ou microprocessador do sistema.

ü      Memória Principal: rápida, custosa, limitada, temporária, volátil. 

3.2 PERIFÉRICOS (o mesmo que Unidades ou Dispositivos de E/S – Entrada/Saída):

ü      Memória Auxiliar ou Secundária: mais lenta, porém menos custosa, com maior capacidade e teoricamente permanente: não volátil.

ü      Dispositivos ou Unidades de Entrada: convertem informação em forma utilizável pela máquina.ü      Dispositivos ou Unidades de Saída: convertem informação em forma utilizável pela máquina para formatos utilizáveis externamente. 

Os periféricos permitem interagir com o computador. São chamados equipamentos de entrada e saída porque servem para o usuário fornecer as informações necessárias ao processamento (ou seja, fazer a entrada de dados) e obter as informações já processadas, ou seja, os resultados desejados (mostrar a saída de dados). Dentre os mais comuns, destacam-se: 

1. Microfone - Usados para entrada de sons destinados a gravações e, mais recentemente, comandos de voz.

2. Caixa de Som - Muitos computadores têm recursos de multimídia. Eles podem emitir mensagens sonoras (voz, música ou efeitos). As caixas de som são conectadas as computador pela placa de som, equipamento normalmente vendido como parte do kit multimídia.

3. Joystick - Utilizado principalmente para controlar jogos. Suas funções normalmente também podem ser executadas pelo mouse ou teclado.

4. Alto-falante - Geralmente os computadores têm um alto-falante interno, mesmo os que não têm placa de som. Sua principal função é emitir bips de advertência quando algo está errado. Alguns programas o usam para simular uma placa de som.

5. Drive de CD - Hoje em dia, muitos programas são comercializados em CD-ROM no lugar de disquetes. A principal vantagem é sua grande capacidade de armazenamento. Um único CD pode armazenar o equivalente a centenas de disquetes. Isso é útil para programas grandes e de conteúdo multimídia (animação, sons, vídeo).

6. Disco Rígido - Também chamado Winchester, é instalado internamente e tem elevada capacidade de armazenamento. Em geral, é conhecido como drive C.

7. Drive de Disquete - O drive de disquete permite ler, gravar e duplicar disquetes. É um dos canais para a instalação de programas. Os drives de 3 ½ polegadas são os mais modernos. Os de 5 ¼ , mais antigos, são menos práticos e menos seguros. Muitos computadores têm os dois tipos, chamados unidades A e B. Se houver apenas um, será chamado de A.

8. Monitor - apresenta as informações digitadas no teclado, bem como mensagens vindas dos programas aplicativos e do sistema operacional. Eis alguns itens que devem ser considerados em relação ao monitor.

9. Impressora - Equipamento que permite criar cópias em papel de gráficos, textos, desenhos, planilhas e outros trabalhos criados no computador. Há grande variedade de impressoras com diferentes qualidades e velocidades de impressão.

10. Mouse - Com ele, controla-se um cursor na tela para selecionar opções em menus e acionar outros dispositivos exibidos. Em geral, seu funcionamento consiste em posicionar o cursor sobre o dispositivo desejado, exibido na tela, e dar um ou dois cliques em um dos botões. Muitas de suas funções podem ser executadas pelo teclado.

11. Teclado - Funciona de forma similar ao teclado de uma máquina de escrever, tem teclas extras para funções especiais e um teclado numérico, semelhante ao de uma calculadora. É o principal canal de interação entre usuário e computador. São dispensados apenas em ambientes especiais como, por exemplo, onde a entrada se faz através de uma leitora de código de barras ou outro tipo de leitura de dados. Seu funcionamento se dá de forma que, ao pressionarmos uma tecla, um código de varredura é transmitido ao computador, que transforma este código em uma ação.

12. Botão Turbo - Este botão permite alterar a velocidade de funcionamento do computador (o chamado clock). A tendência entre os computadores modernos é eliminá-lo.

13. Leitora de Código de Barras - Funciona como entrada de dados em terminais de pontos de venda automatizados. Há diversos métodos de codificação de dados através de barras: todos se baseiam em sucessão de listras escuras de largura variável intercaladas por espaços claros, passível de ser interpretada por processos óticos.

14. Tela Sensível ao Toque - Dispositivo de entrada que permite ao usuário selecionar opções através de indicações sobre o vídeo, que se constitui em um painel sensível a pressões. É utilizada para serviços de informações como, por exemplo, em museus, depósitos e agências bancárias.

15. Modem – Unidade de comunicação que permite o tráfego de sinais digitais para estabelecer troca de programas e dados entre equipamentos de computação afastados entre si, a médias e longas distâncias. Um modem pode ser interno ou externo. O modem interno é conectado a um slot de expansão. O modem externo é equipado com gabinete e fonte de alimentação próprios e se liga a uma porta serial do microcomputador.

3.3 PRINCIPAIS COMPONENTES DO HARDWARE

 Por fora o usuário só pode ver a unidade de sistema (gabinete), o teclado e o monitor.

Entretanto, uma vez removida a tampa da unidade de sistema, mais componentes se tornam visíveis. Entre eles:

3.3.1 PROCESSADOR

Usado para interpretar e executar as instruções dadas ao computador. A CPU (Unidade Central de Processamento) realiza os cálculos e as tomadas de decisão;

3.3.2 MEMÓRIA

Guarda as informações (dados + cálculos) usadas pelo processador. É o “caderno de receitas” do computador, possui os “ingredientes” e o “modo de preparo”. A memória interna do computador é chamada de memória principal, ou RAM (random access memory). O nome de memória de acesso aleatório vem do fato que os endereços desta memória são indexados, logo todo endereço, não importa sua posição física, é acessado num tempo igual. O conteúdo da memória RAM é volátil, ou seja, ele é perdido com a falta de energia elétrica. 

3.3.3 DISPOSITIVOS de ENTRADA e SAÍDA

São os meios com os quais o computador comunica-se com o usuário e com outros sistemas, computacionais ou não.

 Dispositivos de entrada: Recebem os dados e as intruções para o processamento. Existe uma grande diversidade de dispositivos de entrada, entre os principais estão: teclado, mouse, leitores ópticos, ou leitores a laser (leitores para códigos de barras), scanners, sensores diversos (posição, temperatura, umidade, presença, etc.), light pen, mesas digitalizadoras, filmadoras, WEB câmaras, e outros. Operações distintas exigem dispositivos apropriados. 

 Dispositivos de saída: São os dispositivos que podem mostrar o resultado do processamento e/ou acompanhar as tarefas executadas pelo computador. Nessa classe os dispositivos mais conhecidos são as impressoras e o monitor, ou seja, o vídeo do computador. 

3.3.4 MEMÓRIA AUXILIAR

Devido a volatilidade da RAM são indispensáveis dispositivos que armazenem os dados por um tempo maior do que a RAM, e por isso existem as memórias auxiliares, mais conhecidas nos formatos de disquetes, discos rígidos (winchester) e cd-rom. Estes dispositivos podem ser usados para armazenar informações pré ou pós-processadas, bem como programas. 

 Além desses componentes que citamos acima, existem outros que também são extremamente importantes, são eles:

3.3.5 PLACA MÃE

Também chamada de placa de sistema ou motherboard, é a placa principal do computador. Ela contém o microprocessador, o chip que define a “inteligência” da máquina - sua capacidade de fazer cálculos, tomar decisões e executar as instruções dos programas.

3.3.6 SLOTS

São fendas com contatos elétricos presentes na placa-mãe nas quais são encaixadas as placas de expansão.

3.3.7 PLACAS DE EXPANSÃO

São placas auxiliares que permitem a comunicação entre o microprocessador e os diversos componentes do computador, como drives de disquetes, disco rígido ou impressoras, e também acrescentam novas capacidades, como a comunicação via modem.

3.3.8 FONTE DE ALIMENTAÇÃO

É uma caixa metálica de onde saem vários fios coloridos. A fonte de alimentação recebe a eletricidade que vem da tomada, convertendo-a no tipo de corrente elétrica e nas voltagens, adequadas para alimentar os componentes do computador.

3.3.9 DISCO RÍGIDO

Parece um drive de disquete, mas contém um disco que não pode ser removido e cuja capacidade é muito maior do que a dos disquetes. No disco rígido ficam armazenados os programas e dados do usuário.

3.3.10 DRIVE DE CD-ROM

Computadores com drive de CD-ROM são cada vez mais comuns. Esse drive, fisicamente parecido com o disco rígido, é usado para ler CD-ROMs.

3.3.11 DRIVE DE DISQUETES

Geralmente, os computadores têm pelo menos um drive de disquete, podendo ter dois. Têm a forma de caixas e são conectadas à fonte de alimentação e a uma placa que faz a comunicação entre eles e a placa-mãe.

3.3.12 PORTA SERIAL

Uma porta de conexão bidirecional, através da qual os bits fluem um de cada vez (em série). Normalmente, os PC’s têm pelo menos duas delas, conhecidas como COM1 e COM2, que podem ser usadas para conectar diversos dispositivos, como um mouse ou um modem. (pode-se ter conectores de 9 ou de 25 pinos).

3.3.13 PORTA PARALELA

É um tipo de conexão que transmite oito bits simultaneamente. Seu uso mais comum em PC’s é para conectar a impressora, por isso é conhecida como LPT1, do inglês Line Printer (é o conector fêmea de 25 furos).

3.7 MEMÓRIAS AUXILIARES

 A memória principal de um computador está situada no próprio gabinete do sistema e é usada para armazenamento temporário dos dados, enquanto estão sendo processados. Caso seja de interesse preservar essas informações para um processo posterior, elas devem ser transferidas para um dispositivo de memória permanente, auxiliar. Essa memória pode ser constituída por discos, fitas, cd, etc.

3.7.1 Memória em Fita

 Apresenta o inconveniente de permitir o acesso às informações apenas de forma seqüencial; em outras palavras, para se conseguir ler a última informação gravada, é preciso passar por todas as informações anteriores, a partir da primeira.

3.7.2 Discos

Permitem um acesso direto à informação desejada, o que lhes confere uma elevadíssima velocidade de processamento.

3.8 ORGANIZAÇÃO DOS DISCOS

Quando seu documento estiver pronto, ele deve ser gravado no disco rígido (ou em disquete) para que mais tarde possa ser recuperado. Mas como localizar dentre os bytes existentes no disco aqueles que formam seu documento? Lembre-se que um disco rígido pode ter um gigabyte, o que eqüivale a um bilhão de bytes. A solução encontrada é a seguinte:

1.      O disco é dividido em círculos concêntricos chamados trilhas.

2.      As trilhas, por sua vez, são divididas em setores.

3.      Os setores são numerados, o que permite que cada um deles seja localizado no disco.

4.      Os setores são agrupados no que chamamos de clusters, que também são numerados, cujo tamanho varia em função do tamanho do disco.

5.      Uma tabela chamada FAT contida no próprio disco indica quais clusters estão disponíveis ou ocupados e quais os arquivos que os estão ocupando.

Quando você manda o processador de texto gravar o documento, ele envia uma mensagem ao sistema operacional, dizendo que deseja gravar um arquivo. O sistema operacional consulta a FAT do disco, localiza alguns setores que estejam disponíveis e grava neles o arquivo desejado. O sistema operacional altera então a FAT para indicar que aqueles setores não estão mais disponíveis - agora eles estão ocupados pelo arquivo que você acabou de gravar.

 Todas as alterações no disco são feitas pela cabeça de leitura/escrita. Esse dispositivo é capaz de se movimentar e se posicionar sobre o disco em rotação, como se fosse o braço de um toca-discos sobre os antigos discos de vinil. A diferença é que o movimento da cabeça de leitura/escrita é extremamente rápido, assim como a rotação do disco, permitindo que a cabeça se posicione rapidamente sobre qualquer setor desejado.

3.10 TIPOS DE COMPUTADORES

 Além de muito populares, os microcomputadores satisfazem, na grande maioria das vezes, tanto às necessidades pessoais quanto profissionais. É importante saber, porém, que existem outros tipos de computadores, mais poderosos e indicados para tarefas mais sofisticadas.

3.10.1 PC – Personal Computer

 É o microcomputador mais popular. A IBM lançou o primeiro. Hoje há inúmeras marcas de PCs, além de outros “sem marca”, pois podem também ser montados com componentes disponíveis no mercado.

3.10.2 Macintosh

 Trata-se de uma família de microcomputadores fabricada pela Apple. Durante anos, os Macs destacaram-se em utilizações gráficas, como editoração eletrônica e multimídia. Hoje os PCs já podem ser convertidos para multimídia e muitos programas de editoração eletrônica também estão disponíveis para PC.

3.10.3 Notebook

 Os modernos microcomputadores portáteis, chamados notebooks, reproduzem praticamente todos os aspectos do funcionamento dos modelos de mesa. A vantagem é que se pode trabalhar com eles em qualquer lugar. Existem notebooks compatíveis com a família PC e com o Apple Macintosh. Os primeiros computadores portáteis, em média maiores que os notebooks, eram chamados de laptops.

3.10.4 Workstation

 São computadores mais caros e com uma capacidade de processamento muito superior, apesar de fisicamente parecidos com os computadores pessoais. Geralmente rodam sistemas operacionais mais avançados e estáveis, como Unix e Windows NT. Possuem maior quantidade de memória RAM e muitas utilizam dois ou mais processadores.

 As workstations são utilizadas em vários tipos de aplicações:

 ·      Computação gráfica para filmes e televisão - muitas das animações e efeitos especiais que vemos na TV e em filmes são criados com o auxílio de workstations;

·      Serviços de meteorologia e previsão do tempo;

·      Aplicações científicas e de engenharia em simulação e modelagem - uma workstation pode ser usada, por exemplo, para prever o que aconteceria se a temperatura da Terra aumentasse 10°C, ou como uma peça de automóvel que ainda nem foi fabricada resistiria às tensões do uso em estradas ruins;

·      Servidores Internet - muitos servidores Internet capazes de lidar com centenas de chamadas simultâneas são baseados em workstation;

·      Sistemas bancários ou hospitalares - sistemas que envolvem alto nível de segurança e confiabilidade e grande estabilidade costumam contar com workstations.

As workstations geralmente recebem hardware adicional para torná-las mais adequadas a usos específicos. Por exemplo, uma workstation usada na criação de vinhetas para televisão pode ter uma placa de vídeo avançada, para desempenhar melhor o trabalho gráfico.

 Com o contínuo aumento da capacidade de processamento dos microcomputadores, a linha divisória entre eles e as workstations está começando a desaparecer. Atualmente, um microcomputador de primeira linha pode rivalizar em poder de processamento com uma workstation.

 Uma das desvantagens da workstation é o custo elevado da máquina e dos programas utilizados. A disponibilidade de pessoal especializado também é menor. Os sistemas operacionais avançados das workstations requerem profissionais mais qualificados e, consequentemente, mais caros.

3.10.5 Mainframe

 Antes do surgimento dos microcomputadores, toda a computação era executada em máquinas de grande porte, conhecidas como mainframes. Algumas dessas máquinas eram imensas, chegando a ocupar prédios inteiros, e só eram operadas por pessoal altamente especializado.

 No passado, muitas aplicações requeriam o uso de mainframes, já que os primeiros microcomputadores eram fracos e pouco confiáveis (e, antes ainda , nem existiam). Com o surgimento dos microcomputadores e o aumento contínuo de sua capacidade de processamento, o mercado dos mainframes entrou em decadência.

 A substituição dos mainframes pelos microcomputadores, muitas vezes interligados em rede, trouxe vantagens, como a descentralização das informações dentro das empresas e a possibilidade de que pessoas das mais diversas áreas possam processar seus próprios dados.

 Mas os mainframes ainda têm sua importância: algumas aplicações, como pesquisas espaciais (como o controle de vôos espaciais), militares e científicas, bem como o controle e gerenciamento de um sistema bancário requerem computadores de grande porte. Hoje em dia são chamados de supercomputadores.

ter dezenas de processadores. Em alguns casos, esse número pode chegar a centenas ou até milhares. Eles funcionam em paralelo para poder executar cálculos complicadíssimos em alta velocidade. Como esses processadores geram calor, muitas vezes os supercomputadores têm sofisticados sistemas de refrigeração líquida, tal como os motores de automóveis.

3.10.6 Servidores

Os servidores são computadores bastante diferenciados. Como sugere o nome, eles devem “servir” aos usuários das estações (estações são computadores comuns, aos quais se acrescenta uma placa de rede que permite a conexão à rede local), ou seja, fornecer arquivos ou executar programas requisitados. Por isso precisam ter grande poder de processamento e discos rígidos de alta capacidade.

 Características dos servidores:

Capacidade de rodar sistemas operacionais de rede - um servidor pode chegar a atender às requisições de dezenas e até centenas de usuários simultaneamente. Seu sistema operacional deve ser capaz de responder a essa carga de trabalho sem tornar-se lento e sem perder a estabilidade. Entre os sistemas operacionais mais usados em servidores estão o Novell Netware, o IBM OS/2 e o Windows NT.

Tolerância a falhas - um servidor deve ser capaz de se manter em funcionamento mesmo que alguns de seus componentes apresentem defeitos. Por exemplo, alguns servidores têm diversos discos rígidos. Se um dos discos apresentar defeito, outro o substitui sem que os usuários percebam qualquer diferença.

Escalabilidade: a rede de computadores precisa acompanhar o crescimento da empresa. Portanto, o servidor deve prever a ampliação da rede, seja acrescentando memória, discos ou processadores seja trabalhando em conjunto com outros servidores, para atender às novas necessidades.

 As definições de microcomputador, servidor, workstation e supercomputador são bastante imprecisas.

 Um microcomputador de primeira linha pode ser usado como servidor ou executar trabalhos que antes eram domínio exclusivo das workstations. Diversas workstations trabalhando em conjunto podem substituir um supercomputador.

 Por isso, ao adquirir computadores é necessário considerar em primeiro lugar as necessidades atuais e as perspectivas futuras da própria empresa. Isso deve ser avaliado por funcionários qualificados e familiarizados com as políticas e os objetivos da empresa.

3.11 COMPONENTES BÁSICOS PARA MONTAR UM “BOM” PC :

1.      Processador – Pentium III 800 MHz da Intel, ou equivalente da AMD.

2.      Placa Mãe (Asus ou Soyo)  com 256 Kb cache – nada on-board;

3.      Memória RAM – mínimo 64 MB; recomendável: 128 MB.

4.      Disco rígido – mínimo 10 GB; recomendável: 20 GB.

5.      Placa de vídeo – padrão SVGA; recomendável: 16 MB.

6.      Monitor – padrão SVGA 15”.

7.      Kit multimídia – placa de som 64 bits e drive de CD com velocidade 52x.

8.      Placa fax-modem de 33.600 bps.

9.      Drive de disquete – 3,5 polegadas, 1,44 MB.

10.  Fonte de alimentação.

11.  Gabinete.

12.  Teclado.

13.  Mouse.

14.  Impressora Deskjet (Jato de Tinta), ou matricial – depende da aplicação.

15.  Scanner 19.200 dpi; recomendável: de mesa.

Seguem-se algumas sugestões a respeito de equipamentos de proteção que devem ser utilizados, visando à segurança dos sistemas.

·      No-break: bateria ou conjunto de baterias capaz de fornecer energia, no caso de queda na rede elétrica, evitando a interrupção brusca do processamento. Mantém o sistema no ar durante alguns minutos, enquanto providências são tomadas.

·      Estabilizador de Tensão: tendo em vista picos de voltagem ocasionados por anomalias nas redes de abastecimentos ou, mesmo, no interior das instalações, é prudente proteger os circuitos por estabilizadores de tensão.

·      Filtro-de-linha: quando existem várias máquinas em um mesmo circuito, há possibilidade de o funcionamento de umas causar perturbação para outras. No caso de computadores, as variações de voltagem aí apresentadas, se forem grandes, podem causar problemas e – até mesmo – ocasionam erros no processamento. Desse modo, é prudente proteger cada equipamento sensível por um filtro-de-linha, que é um dispositivo voltado para esse fim.

4 SOFTWARE

É a parte lógica que dota o elemento físico de capacidade para realizar todo tipo de trabalho, é o que dá vida ao computador (“alma do computador”). O software é constituído pelos programas que permitem ao hardware atender às necessidades dos usuários. 

Uma analogia pode ajudar a esclarecer esta relação: um toca-discos e um CD podem ser comparados ao hardware. A música é o software.

4.1 CATEGORIAS DE SOFTWARE

 Podemos agrupar os softwares em três categorias principais:

 ·      Software Básico – é o conjunto de programas fornecidos pelo fabricante do computador, que tem por objetivo gerenciar todos os recursos do mesmo, de forma a permitir o uso e funcionamento da máquina, de maneira mais fácil, segura e eficiente. Coordenam detalhes internos e referenciam a utilização do sistema.

São os Sistemas Operacionais (S.O), programas que controlam os computadores, coordenam o hardware e suas tarefas e gerenciam a utilização dos diversos dispositivos de sistema computacional, como: impressoras, acionadores de disco, monitores, etc. Os sistemas operacionais além de fazerem o interfaceamento entre o hardware e os programas, fazem também a conexão lógica entre o homem e a máquina, o computador.

Geralmente pode-se dizer que a cada família de CPU, ou geração de computadores, usa-se um sistema operacional diferente. Exemplos: 

MS-DOS

Antigo sistema operacional da Microsoft, Disk Operating System, usado nos computadores compatíveis com IBM PCs; 

Windows-95

Sistema operacional para IBM PCs compatíveis;

Windows-98

Sucessor do Win95 com poucas e leves alterações; 

 Windows NT (Windows New Technology)

Abrange tanto a família mais recente Intel, como também microprocessadores RISC para estações de trabalho; 

Unix

Preferido entre os médios e grandes computadores. Nativamente, sua interface com o homem não é gráfica, mas atualmente adota-se o padrão X-Windows, mais conhecido somente por X.

Uma das novas versões do Unix para PC, o Linux, vem ganhando bastante popularidade tanto no meio acadêmico como no meio comercial, como um sistema operacional alternativo e bastante confiável e que faz frente aos produtos da Microsoft nessa área de software básico.

Linguagem de Programação – é um conjunto de comandos e regras que permitem a construção de programas de forma que possam ser entendidos e executados pelo computador.

 Softwares Aplicativos – usa os softwares básicos em conjunto com a linguagem de programação para resolver uma determinada aplicação, como por exemplo: Contabilidade, Folha de Pagamento, Contas a Pagar, Contas a Receber, Editores de Texto, Planilhas Eletrônicas e outros.

4.2 PROGRAMAS

A programação diferencia o computador de todas as outras máquinas. Ao lhe proporcionar funcionalidade, interatividade e flexibilidade, torna-o um aliado útil em inúmeras atividades, como cálculos, processamento gráfico, comunicação e lazer.

Programas são seqüências de instruções executadas pelo computador ou mais precisamente por seu cérebro, o processador. As instruções não são realizadas sempre na mesma seqüência: a ordem muda e trechos do programa são executados ou não.

 O programa age de acordo com as ações do usuário e das condições internas da máquina. É isso que confere ao computador sua capacidade de “tomar decisões” e de agir com “inteligência”.

4.3 SISTEMAS

Podemos definir sistema como um conjunto de programas e métodos organizados de modo a cumprir um certo número de funções específicas.

 Os sistemas podem ser classificados como:

4.3.1 Pacotes

São programas padronizados adquiridos prontos. São de utilização imediata na empresa, sendo indicados naquelas aplicações em que a empresa se comporte de forma padrão às demais organizações.

4.3.2 Sistemas Específicos

São programas desenvolvidos especialmente para uma empresa.

4.3.3 Sistemas Especialistas

São programas especializados em determinada aplicação, retendo um grande volume de informações sobre as aplicações, e que baseado em determinados métodos consegue apresentar informação com uma eficiência superior aos programas convencionais. Exemplo: sistema que auxilia em diagnósticos médicos, sistema especialista em direito trabalhista. 

Prof. Valter de  Menezes Eugenio    /  ETEC  GETULIO VARGAS

You are here